Tudo a dois


Poderiam dizer “te amo”,

Mas dizem “nos amamos”.

É mais gostoso!

Não somente um.

Não somente o outro.

São dois.

Dois corações num único compasso.

Duas vidas com um só objetivo.

Dois corações que se alimentam do mesmo sentimento.

Duas vidas que buscam vida…

…num grande amor.

Tudo a dois

E fazem em um.

Sabem o suficiente.

Sabem o que sentem…

…e vivem.

Vivem um para o outro, ou melhor…

…vivem-se.

Amam-se.

Amam-se a ponto de fazerem do infinito um grão,

De acharem curto o eterno,

De acharem graça do impossível.

Amam-se e “só”.

Um “só” mentiroso,

Pois não é solidão,

É um “só” fusão.

É um “só” que significa tudo.

Olham-se e sorriem,

Cientes da sina.

São capazes do que é lindo.

Total alquimia:

Distância viva saudade,

Saudade viva amor,

Mais amor.

Necessitam que assim seja.

É um amor que existe por si,

Que não só cresce,

Mas que também se descobre mais e mais.

Tudo a dois.

Corrente direta com “Deus”.

Para eles:

Teu e meu é nosso; e

Eu e você é amor.

Solução divina

Para belos versos sem rima,

Pois, para quê?

Rimam-se ao dizer:

Amo-a;

Ama-me;

Amamo-nos.

“Deus” os privilegiou,

Deu-lhes além do tudo,

O tudo a dois.

Paulo Rogério da Motta


Sugestão musical para a poesia

Shania Twain – You’ve Got A Way


Deixe uma resposta